Cachoeiras do Sana – Macaé

Cachoeira do Sana
  Endereço  Arraial do Sana, Macaé/RJ
  Distância Total  2,5 km
  Tempo Total  1 hora
  Elevação Máxima  –
  Nível do Trajeto  Leve

 

 

 

 


>A CHEGADA

             As Cachoeiras do Sana fazem parte da Área de Proteção Ambiental do Sana – APA do Sana* e estão localizadas no Arraial do Sana*, em Macaé, Município do Rio de Janeiro.

        O principal acesso para a região é pela Rodovia Gov. Mário Covas (BR-101), que liga o Norte do Brasil ao Sul. Chegando em Casimiro de Abreu, Distrito de Macaé, seguir pela BR-142, subindo a serra no sentido Nova Friburgo e desviar para Barra do Sana, pegando a Estrada Frade-Sana, passando pelo Portal do Sana, na ponte da Amizade (que cruza o Rio Macaé), até o Arraial do Sana.

OBS: A Estrada Frade-Sana é uma estrada de terra em péssimas condições, com muitos buracos e pedras. É curta. Tem em torno de 6 km de extensão apenas, mas exige bastante atenção do motorista pra não danificar o carro.

          Pra quem vai de ônibus, será preciso saltar na Rodoviária de Casimiro de Abreu e de lá pegar um ônibus pra Arraial do Sana (Os horários são bem limitados, portanto procure se planejar antes de viajar para evitar aborrecimentos).

OBS: Para informações sobre como chegar até o Sana vindo de outros locais do Brasil, bem como sobre os horários e preços do transporte público local, acesse o site http://www.portaldosana.com.br.

           O Arraial do Sana é bem pequeno, dá pra percorrer, tranquilamente, toda a sua extensão a pé. Pra chegar até o início da trilha, é preciso atravessar uma pequena ponte, andar alguns minutos por uma estradinha de terra (Caminho das Cachoeiras), passando por algumas vendinhas e por um estacionamento pago, até a guarita de entrada.

Caminho das Cachoeiras
Caminho das Cachoeiras

>A TRILHA

       A trilha, que leva às Cachoeiras do Sana  e à Pedra Peito do Pombo, começa a partir de uma guarita onde é preciso se registrar antes de seguir adiante (há um mapa feito à mão que fica à disposição dos visitantes para darem uma olhada antes de inicar as trilhas – Veja na imagem abaixo).  

Mapa ilustrativo da trilha
Mapa ilustrativo da trilha

OBS: O acesso às trilhas é gratuito, mas a região que dá acesso às cachoeiras faz parte do Sítio Bambu (https://www.facebook.com/sitiobambu – são 14 alqueires de mata nativa, cortados pelo Rio Peito de Pombo). 

     Logo no início da trilha tem uma pequena guarita improvisada e um funcionário pra instruir os visitantes que precisem de informações. Poucos minutos após essa guarita, avista-se a primeira bifurcação, com a placa indicando o caminho que leva ao Poço Escorrega do Eduardinho (Cachoeira do Escorrega).

     Destaque para um tobogã natural com uma piscina ao lado. Como o local é facilmente acessível, e não oferece grandes riscos, é bastante frequentada por famílias, principalmente com crianças, contando, inclusive, com monitores e estruturas visando a segurança dos visitantes.


Cachoeira Sana

         Retornando à trilha principal e seguindo adiante, o caminho se torna uma subida não muito íngreme, mas que em tempos de chuva fica bastante escorregadia. Em menos de 10 minutos, uma segunda bifurcação: agora será preciso sair da trilha principal (que leva à Pedra Peito do Pombo) e virar à esquerda, adentrando o portão de madeira em direção a uma trilha plana que beira o rio. 

        Esse trecho é bem tranquilo e agradável. Às margens da trilha há várias “entradinhas” que levam ao rio com suas muitas piscinas naturais. Após alguns minutos de caminhada será preciso atravessar o rio e, em seguida, um portão que só permite a passagem de uma pessoa por vez. A partir daí a trilha vira uma subida e fica mais fechada.

          Em pouco tempo de subida, chegamos a uma descida, à direita, que leva ao poço da Cachoeira Mãe (tem esse nome por ser possível visualizar o rosto da Nossa Senhora, no lado direito da queda d´água). Será preciso descer pela rocha com auxílio de uma corda. Lá embaixo tem um bom ambiente onde as pessoas ficam relaxando. Algumas pessoas mais ousadas saltam do alto da rocha direto no poço ou descem a queda d´água numa espécie de tobogã natural (tome muito cuidado! Essa “brincadeira” é muito perigosa e o risco de acidentes é grande! Portanto, caso decida tentar, procure observar outras pessoas fazendo antes!).

Cachoeira Mãe no Sana
Cachoeira Mãe

        Voltando à trilha e subindo mais um pouco, um grande clarão se abre na mata à direita e é possível ver de cima a Cachoeira Pai. A visão é incrível! Uma queda d´água fortíssima de aproximadamente 15 metros caindo direto num poço bem fundo encravado no meio das rochas. É possível saltar direto no poço (tome muito cuidado! Essa “brincadeira” é perigosa e existe risco de acidentes. Portanto, não o faça se não tiver plena confiança! Procure observar outros fazendo antes!). 

Cachoeira Pai no Sana
Cachoeira Pai

        Do poço da Cachoeira Pai se tem acesso à Cachoeira Filho. As pessoas costumam descer escorregando por ela até o poço mais abaixoHá duas possibilidades de sair desse poço. Subir pela rocha às margens dele e “escalar” com auxílio de cordas e árvores até a trilha novamente ou descer a queda da Cachoeira Mãe (o que é bem perigoso).

             Mais à frente, após a Cachoeira Pai, chegamos a última cachoeira – Cachoeira Sete Quedas – composta por uma queda d´água belíssima que “escorre” por 7 degraus “esculpidos” pela natureza. Essa cachoeira, juntamente com as cachoeiras do Pai, Mãe e Filho, formam o Circuito das Águas, pois estão muito próximas uma das outras e é possível ir descendo pelo rio por todas elas. (Apesar de ser possível escorregar dessa cachoeira diretamente pro poço da Cachoeira Pai – não é recomendável, pois em épocas de chuva a correnteza se torna muito forte).

Cachoeira Sete Quedas
Cachoeira Sete Quedas

     Passando pela Cachoeira Sete Quedas, um pouco mais à frente, é possível atravessar o rio e subir por uma trilha curta, no meio da mata, que leva até a trilha do Peito do Pombo. De lá há duas opções: subir e seguir pra Pedra Peito do Pombo ou descer em direção ao começo novamente, completando um circuito (Recomendo retornar pelo mesmo caminho. É mais rápido e menos cansativo).

OBS: Nessa bifurcação tem um pequeno comércio de bebidas e alimentos, ideal pra quem está com fome/sede.

>CONSIDERAÇÕES FINAIS*

         O Arraial do Sana é um pequeno vilarejo, incrustado no meio da Serra de Macaé. Há muitos campings e pousadas por lá dos mais variados preços e estilos, todos bem localizados, já que o Arraial é bem pequeno, sendo possível percorrer toda a sua extensão, a pé, sem maiores dificuldades.

     Ficamos numa posição mais central, entre as cachoeiras e a pracinha, onde acontece o movimento à noite, na Rua da Grama, no Camping do Poço / ou Camping do Russo – dono do local (telefone: (22)2793-2843 / (22)988368566). Fomos muito bem recebidos pela Laura, que toma conta do camping e também trabalha como guia, se dispondo a levar a outras belíssimas cachoeiras da região. A estrutura é mais simples do que a do camping vizinho – Camping do Jatobá, – que tem wifi- mas o preço sai mais em conta e ainda tem um acesso ao rio que corre atrás do camping. 

    Quanto à alimentação, o Sana possui restaurantes mais simples com preços acessíveis, como o Macaxeira que fica na Rua das Cachoeiras e é uma boa pedida pra quem retorna faminto das trilhas, e outros mais confortáveis e também mais caros, como as creperias e pizzarias do centrinho. Recomendo o açaí próximo ao Camping Sana. Muito gostoso e os donos são muito simpáticos, principalmente o pequeno Davi.

         À noite, costumam rolar shows de Reggae e Forró no espaço da feira, principalmente na alta temporada. O Leão Bar e Bambu Bar, um ao lado do outro, são os mais agitados e contam com espaços bem confortáveis. Pra quem busca algo mais em conta e mais “largado”, ao lado do Albergue que fica em frente à Igreja, tem um bar estilo boteco, com boa música, sinuca, totó e bebidas a preços mais acessíveis.

Abaixo apresentamos algumas informações e curiosidades sobre pontos de interesse dessa trilha:

Área de Proteção Ambiental do Sana – APA do Sana: “foi criada pela Lei Municipal no 2.172/2001 – área compreendida por toda extensão contida no 6º Distrito de Macaé. É uma Unidade de Conservação de uso Sustentável dos Recursos Ambientais, a qual se destina a proteger, conservar e melhorar a Qualidade Ambiental e os Sistemas Naturais ali existentes, disciplinar, orientar e ordenar o Processo de Ocupação, visando à melhoria da Qualidade de Vida da população Local e Visitante, e também objetivando a Proteção dos Ecossistemas Representativos na Região. O Conselho gestor da APA do Sana – SANAPA, criado pelo Decreto Municipal nº 075/2002, é um órgão colegiado, com atribuições consultivas, normativas e deliberativas de interesse local restrito a Lei Complementar nº 027 de 2001, com sede no distrito do Sana, e sua atuação compreende os limites físico-territoriais da APA do Sana como unidade de gerenciamento e planejamento. Contato pelo e-mail sanapa2172@hotmail.com” (Fonte: portaldosana.com.br)

Arraial do Sana: “Situado na sub-bacia do rio Sana,que é parte da bacia do rio Macaé, região serrana do município próximo a Lumiar e Nova Friburgo, a 165 km da capital do estado do Rio de Janeiro. É muito divulgado por suas matas e cachoeiras que englobam uma gigantesca área de preservação ambiental permanente com mais de 345 espécies catalogadas de pássaros e diversos animais silvestres oferecendo uma imensa biodiversidade e várias opções de trilhas para praticantes do montanhismo e do ecoturismo, destacando-se a subida ao  Peito do Pombo, com 1.200 metros de altitude.

Extremamente musical, Sana é abrigo de muitos músicos que tocam nos fins de semana em seus aconchegantes e simples bares que vão até de manhã. Forró, reggae e samba são os principais tipos de músicas apresentadas. Uma famosa banda de forró, Raiz do Sana, nasceu no alegre Arraial do Sana. Hoje bandas como Pavio Curto e músicos como Rômulo Ferreira, são atrações imperdíveis ! Artesãos exibem seus produtos na feirinha local, o crochê é a mais delicada arte oferecida aos turistas, sendo comparada as pedras preciosas de Minas Gerais. Queijo fresco, banana passa e pratos com mandioca, como o nhoque de mandioca e o bolinho de aipim são típicos da região.(Fonte: Wikipedia.com)

Digiprove sealCopyright secured by Digiprove © 2016
PDF24    Enviar artigo em PDF   

Deixar uma resposta

All original content on these pages is fingerprinted and certified by Digiprove
Por favor, aguarde...

Junte-se a nos!

Deixe seu nome e e-mail pra que possamos enviar todas as novidades do nosso site, (relatos de trilhas, cachoeiras, dicas sobre viagens e muito mais) assim que forem sendo publicadas!! Siga também nosso instagram - @trilhasecachoeiras - e nos envie suas fotos...toda semana publicamos o \"destaque da semana\". Grande Abraço!
Translate »